Páginas

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Pão de abóbora Sefardita - Butternut Challah


     Scroll down for English Version



       Já lá vão uns anos.. O tempo passa, o mundo pula e avança, e eu nunca pensei voltar ao Menu Verde. 
Continuo com um pé entre Portugal e Islândia e com uma mãozinha na Irlanda. Existem muitos projectos no ar, sonhos em vias de realização, família e vida acadêmica, tudo junto dando forma a este delicioso bolo que é a vida. 

Mas cá estamos de volta e esperamos ter vindo para ficar. Quanto a vós caros leitores, puxem de uma cadeira e sentem-se: o pano vai subir!

     Hoje trago-vos uma receita que tem vindo a marcar presença na nossa mesa em dias de festa faz já alguns anos. É uma das nossas favoritas e é baseada num livro que vos aconselho muito: "Blessing of a bread" de Maggie Glezer. O livro conta-nos diversas histórias de famílias Judias, com receitas e tradições.  

Rende 2 pães grandes

Ingredientes:
170 gr. puré de abóbora (butternut squash, assada no forno durante 45min/ 1h a 180 ºC)
10 gr. de fermento granulado ou 20 gr. de fermento fresco
1 c.c. cardamomo em pó
1 c.c. gengibre em pó
750 gr. farinha para pão (150 + 600)
210 gr. água morna
100 gr. açúcar (50+50)
12 gr. sal marinho
2 ovos biológicos + para pincelar
110 gr. óleo de girassol
sementes de sesamo para salpicar



Faz-se assim

  1. Activar o fermento: o fermento + 150 gr. de farinha + toda a água + 50 gr. açúcar. Misturar muito bem e deixar descansar até que duplique de volume. Pode ser amassado directamente no robot de cozinha.
  2. Adicionar os restantes ingredientes à mistura do fermento e trabalhar a massa suavemente na velocidade mais lenta no robot de cozinha até que a massa se começe a despegar dos lados da taça. Se optarem por amassar à mão façam uma covinha no centro da farinha e despejem a mistura do fermento e todos os restantes ingredientes para o centro. Trabalhem a massa até que fique tudo homogêneo. 
  3. Levedar a massa por cerca de 2 horas; a cada 30 min dobrar a massa para que esta ao subir e descer trabalhe melhor glúten, resultando num pão mais fofinho. (Este passo é particularmente importante se a massa for trabalhada à mão, o que não necessitará de tanto esforço).
  4. Dividir a massa em a) 6 partes iguais se optarem por fazer tranças b) 8 partes iguais se optarem por fazer este entrançado redondo (ver fotos)
  5. Entrançar, e deixar descansar, 30 min, coberto com um pano. Pré aquecer o forno a 200 ºC
  6. Pincelar o pão com ovo e salpicar com sementes de sésamo.
  7. Enfornar, baixando a temperatura para 180 ºC. Coze entre a 45-60 min. Troquem a posição dos pães a meio da cozedura pois estes não caberão no mesmo tabuleiro.



English Version


       Few years have passed since you last hear from me... Time passes, the World continues and evolves, and I have never though I would be back at Menu Verde's Kitchen. 
With my feet  between Portugal and Iceland and little hand over in Ireland, there are many projects in the air, dreams on the verge of becoming true, family, academic life, all together shaping the delicious cake that we call "Life".
But I am back and hopping to stay. So pull a chair, take a sit and let the curtains rise; the show is about to begin!

      Today I bring you an old time favorite, always making a presence on special occasions. This bread recipe is based on the fabulous book "Blessing of a bread" by Maggie Glezer. It is a very interesting book that tells us many stories about Jewish families, their traditions and their recipes. 


For 2 big breads

Ingredientes:
170 gr. butternut squash puree (bake the butter squash for 45-60 min at 180 ºC, then process it until smooth)
10 gr. dry yeast or 20 gr. fresh yeast
1 tsp. Cardamom powder
1 tsp. ginger powder
750 gr. bread flour (150 + 600)
210 gr. luke warm water
100 gr. sugar (50+50)
12 gr. sea salt
2 organic eggs + brushing
110 gr. sunflower oil
sesame seeds for sprinkling

Method




  1. Make a yeast slurry to activate it: yeast + 150 gr.of flour + all the water + 50 sugar. Combine all of these ingredients and let it rest until in doubles in size. You can use a kitchen mixer for this if you like.
  2. Add the rest of the ingredients to the yeast slurry and gently work them into the dough. Work the dough on the stand mixer until it starts to stick away from the sides of the bowl. If you intend to mix it by hand then make a well in the middle of the dry ingredients and place all the wet ingredients in the center. Start mixing until is all a sticky mess and then start kneading until it looks homogenous. It does not need to be perfect as you can see in the next step.
  3. Let the dough proof for 2 hours; in which every 30 min you should punch the dough and fold it again. This will stretch the gluten in the dough resulting in a extra fluffy bread. (This is especially important if you choose to make it by hand, requiring less effort to work the gluten).orço).
  4. Divide the dough in a) 6 equal parts if you would like to have regular braids with 3 strands or  b) 8 equal parts if you would like to have this beautiful round shaped braid with 4 strands. (see pictures)
  5. Plait the dough, and let proof for 30 min. covered with a tea towel. Preheat the oven now at 200 ºC.
  6. Brush the breads with egg wash and sprinkle with sesame seeds. 
  7. Bake in separated trays for 45-60 min. Lower the temperature to 180 ºC as soon you place the breads in the oven. Exchange the position of the trays half way so that both breads get equally baked. (I suppose you will be baking on the top and the other on the bottom of the oven)

domingo, 7 de dezembro de 2014

Beijinhos de coco - Coconut kisses


Scroll down for English version...

Olha o Inverno destemido e imponente, trouxe-nos um manto branco de veludo, e hoje também algum sol...E esse vento frio que gela as nossas bochechas, é o mesmo vento que enregela nossas mãos quando estas se aventuram fora dos bolsos... Já para não falar nos narizes que ao final de minutos deixam de dar sinais de vida... Inverno branco que enalteces a beleza Artica da nossa Islândia, deixai que ela permaneça adormecida no seu sono de beleza profundo, que nós buscaremos alento entre cobertores de lã, docinhos e chávenas de chocolate quente! 




Ingredientes - 10 beijinhos de coco, ou um tipo de Rafaellos mais saudáveis :P
40gr manteiga de cacau20gr óleo de coco25gr xarope de agave escuro80gr coco ralado + para revestir1/4 c. chá de baunilha em pó 1/2 c.chá raspas de lima bio10 avelãs

Faz-se assim...
Em banho-maria aquecemos levemente a manteiga de cacau. Adicionamos todos os outros ingredientes à excepção do coco ralado para revestir...Se a misturar não estiver bem firme, e for impossível dar forma aos chocolatinhos, guardar a mistura no frigorífico por 30 min. Formar 10 bolinhas (1 colher de chá de massa por bolinha +/-). No centro de cada bolinha colocar uma uma avelã.Revestir as bolinhas com coco ralado e já está :)






*** English version ***

Look at this fearless and majestic Winter, he brought us a gorgeous velvety snow mantle and today some sunshine to go with it... And the cold wind which freezes our cheeks, is the same wind that frosts our hands whenever they try to go out of our pockets... Not to mention our poor noses, after a few minutes exposed to cold they cease to live!
Oh white Winter, enhancing the grace of our Artic Iceland, leave her to doss in her deep sleep of beauty, while we humans will seek comfort in woolen blankets, sweets and mugs of hot chocolate!  

Ingredients - 10 coconut kisses, or some kind of healthier Rafaellos
40gr cocoa butter
20gr coconut oil
25gr dark agave sirup
80gr grated coconut + some to coat
1/4 tsp of vanilla powder
1/2 tsp lime zest (organic)
10 hazelnuts 

Method...
In a water bath slightly warm up the the cocoa butter. Add in all the other ingredients, except the coating coconut. If the mixture is not very sticky and falling apart, place it in the fridge to harden up for 30 min.Give shape to 10 small balls (1 tsp of mixture for each ball roughly). In the center of each ball hide an hazelnut :) Coat the balls with some grated coconut and that's it!  






domingo, 30 de novembro de 2014

O mito da proteína - The protein myth




Scroll down for English version

O mito da proteína... 

   Ainda há muita gente que pensa que as dietas veganas e vegetarianas são pobres em proteína e por isso incompatíveis com actividades físicas que requerem mais esforço, o que não é verdade.

   As proteínas de origem animal porque são muito complexas requerem esforço extra do nosso corpo para que sejam digeridas/assimiladas. 
   A quantidade de sucos gástricos e enzimas necessárias para digestão de alimentos tão complexos como a carne fazem parte de um processo que exige demasiada energia física. 
Se o corpo está ocupado a digerir alimentos tão pesados não terá tanta energia para outras funções tão importantes como a regeneração de tecidos, e outras funções vitais prioritárias. 
Um dos outros motivos pelo qual proteína animal é tão nefasta para o corpo humano é porque torna o ph corporal ácido, quando este deveria ser alcalino. Quando isto acontece vários mecanismos corporais são accionados de forma a restabelecer o ph alcalino. Sendo os ossos a fonte mais disponível de matéria alcalina, cálcio é então lixiviado dos ossos de forma a balancear o ph corporal, resultando em vários problemas ósseos.
   Infelizmente o processo não termina aqui! Uma vez restabelecido o ph, os resíduos de cálcio são então filtrados nos nossos preciosos rins que forçadamente desempenham o seu papel. Os rins sofrem bastante neste processo pois as partículas de cálcio com o tempo tornar-se-ão em dolorosas calcificações mais conhecidas por cálculos renais...
O pancreas também sofre; durante o processo da digestão de alimentos de origem animal estes requerem a secreção de mais enzimas digestivas levando o pancreas à exaustão. Eventualmente este orgão deixará de exercer as algumas das suas funções o que levará ao seu mal funcionamento. Esta situação é claramente visível em pessoas que sofrem de diabetes... Independentemente se sofre diabetes ou não este órgão deveria ser bem estimado já para não falar no resto do nosso precioso corpo! 

Então que tipo de proteínas devemos nós consumir? 

   Todas as proteínas são compostas por aminoácidos, aminoácidos estes que não passam de 'tijolos de construção' no nosso organismo. Por isso na alimentação vegana e vegetariana é muito importante o consumo de alimentos variados a todas as refeições de forma a obter proteínas completas. Temos de ter a certeza de que fornecemos ao nosso corpo todos os componentes para que este possa fazer as 'reparações' necessárias do dia a dia, sem sobrecarregar o sistema. Aqui ficam alguns exemplos:


Arroz integral conjuntamente com feijões...
Brown rice and beans...



Quinoa...



Nozes de diferentes tipos...
Nuts of all kinds...

Sementes variadas, como de abóbora, girassol, cânhamo, linhaça, chia etc...
Several seeds such as pumpkin seeds, sunflower seeds, hemp seed, chia, flaxseed etc...



Outras leguminosas como lentilhas, grão de bico, feijões etc...
Other beans and pulses such lentils, chickpeas etc...



Batata doce...
Sweet potato...



English version

The protein myth...

   There are still lots of people out there thinking about vegan and vegetarian diets being low in protein thus not recommended for more demanding and straining physical activities and sports, which is not truth.  

   Proteins from animal sources are very complex requiring an extra effort from our bodies to get digested and assimilated.    
The amount of gastric juices and enzymes required to process such complex foods as meat are very demanding in terms of  physical energy. 
   If the body is busy digesting foods it surely has no time to do other sorts tasks like repairing body tissue or even taking care of the vital functions properly!
   Another reason why animal protein is so harmful for our health has to do with the body ph; animal products turn our ph acidic and out of balance as the general body ph needs to be alkaline. 
When this situation happens body mechanisms are triggered in order to bring it back in balance. Bones are the more readily available source of alkaline matter in our bodies, therefore calcium is leached out from our bones to reestablish our body ph. Of course this will result in numerous bone health issues on its own.
   Unfortunately damages go even further, once the ph has been balanced out lots of calcium residues are dispersed in the blood stream thus to be filtered by our precious kidneys. The kidneys then struggle with all this massive particles and as time goes by it will end up forming all sorts of calcified deposits which eventually will harden giving origin to painful kidney stones.
   The pancreas also suffers; during the digestive process more enzymes are required to digested foods of animal source, exhausting the pancreas leading to malfunction of this organ which is clearly visible in people suffering from diabetes... Regardless if one suffers from diabetes or not this organ should be well cared for as the rest of our precious body!

Which type of proteins do I need to consume then?

   All the proteins are made of amino acids which are kind of the building blocks of our body if you would like. So if you are having a vegan or vegetarian diet you have to make sure you have lots of diverse foods in all of your meals.     

   Variety is the key here! If you follow this rule you are sure that you will be supplying your body plenty of different nutrients and amino acids to preform all the day to day repair tasks. You can see some examples above in the pictures.


Image sources:
http://www.just-health.net/Quinoa-Vs-Brown-Rice.html
https://atasteofbrazil.wordpress.com/2013/08/02/brazilian-beans/
http://www.thegardengrazer.com/2013/01/crazy-for-quinoa.html
http://www.nuts.com.au/
http://www.trueactivist.com/the-top-10-healthiest-seeds-on-earth/
http://healthyplate5.blogspot.com/2012/12/beans-beans-they-are-good-for-your-heart.html
http://delraycra.org/tag/sweet-potato/


domingo, 9 de novembro de 2014

Patê de sementes de girassol - Sunflower seed spread



*** Scroll down for English version ***

Parece que a vida anda às voltas por aqui... Dúvidas, alegrias e tristezas são tudo peças deste puzzle da minha vida a 66º norte... Estou farta deste ar poluído e gasoso fruto da fúria ígnea da natureza! Deste frio que me congela o nariz e fazer doer as extremidades! Já para não falar nos factores humanos mais parecem desumanos! Ah Portugal onde estás tu?...

Enfim, fases da vida assim fazem nos crescer, fazem-nos enrijecer. Eu cá estarei para ver se essas teorias se aplicam a mim...

Mudando de assunto, hoje trago-vos uma espécie de patê, muito simples e nutritivo. Para quem está a deixar de comer lacticínios, nomeadamente manteiga, e torce o nariz às margarinas vegetais (extraídas por métodos duvidosos), esta receita é uma excelente escolha para as substituir.
As sementes de girassol tem um alto teor em vitaminas e minerais e antioxidantes, e são reconhecidas por proteger o sistema cardiovascular.

Podem usar este patê em sandwiches, como molho 'dip' para vegetais etc etc. Eu pessoalmente adoro-o com cenouras e aipo! Yum yum!
Podem também fazer em quantidade e guardar por uns dias no frigorífico. As sementes são demolhadas para que o corpo absorva melhor os seus nutrientes.



Só 5 Ingredientes!
150gr de sementes de girassol descascadas (demolhadas durante a noite)
4 c.sopa de azeite de qualidade
1 dente de alho
sumo de 1 limão
2 c.sopa de tamari ou molho de soja orgânico.

Modo de preparo
É super simples, escoam-se as sementes de girassol, e colocam-se todos os ingredientes no processador de alimentos. Triturar até obter a consistência de patê, se necessário adicionar um pouco de água.

E já está! Tão simples e rápido!



*** English version ***
Today I bring you a patê or a spread if you prefer, very simple and nutritious. If you are trying to give up dairy, like butter for example, and if you do not like margarine (extracted by dubious means), this recipe is for you; an excellent replacement for those health damaging products.    
Sunflower seeds are rich in vitamins, minerals and antioxidants known to help and strengthen the cardiovascular system.
You can use this spread on sandwiches, as dip for veggies etc etc. I personally love it carrots and celery sticks! Yummy!
I can as well make a big batch and keep it in the fridge for a few days. The seeds are soaked for a better absorption of their nutrients in our body.

Only 5 Ingredients!
150gr sunflower seeds (soaked over night)
4 Tbsp good quality olive oil
1 garlic clove
1 lemon - juice
2 Tbsp. Tamari sauce or another organic soy sauce.

Method
Very simple, drain the seeds, and place all the ingredients in the food processor. Process until you get a nice and thick consistency. If you wish you can add some water to make it more lighter.

And that's it! How simple and easy!

Enjoy!


domingo, 26 de outubro de 2014

Biscoitos crús de trigo sarraceno - Buckwheat raw cookies



Scroll down for english version.

Biscoitos crudívoros de trigo sarraceno germinado. Sem açúcar, sem glúten e vegano!

Não se deixem intimidar pelo que parece ser uma receita complexa. Asseguro-vos que não é. Embora os biscoitos desidratados levem o seu tempo até ficarem prontos, é tempo que podemos estar a fazer outras actividades. Este tipo de biscoitos podem inclusive ficar na desidratadora durante a noite. Assim quando acordarem de manhã estão prontos :)
Porquê biscoitos crudívoros? Vocês sabiam que os alimentos ao serem cozinhados perdem o seu alto teor em enzimas? Enzimas essas que desempenham funções importantes no nosso corpo, nomeadamente na ajuda à digestão. Já para não falar no valor nutricional nos alimentos cozinhados que é reduzido.
De qualquer forma isto é uma longa história que poderei vir a desenvolver mais, um dia destes, se vocês meus caros leitores o assim quiserem! 

Trigo sarraceno germinado passo a passo, 2-3 dias
  1. Demolhar a quantidade de trigo sarraceno desejada por 15 minutos.
  2. Escorrer bem num passador de rede.
  3. Colocar o passador sobre uma taça, e deixar num local sossegado da cozinha.
  4. Lavar e escorrer bem pelo menos 2 vezes ao dia.
  5. Ao final do primeiro dia já será verão umas caudazinhas na base das sementes.
  6. Usar assim que desejar, eu prefiro os meus com 0,5 cm.
Podem usar estes germinados em granolas, saladas, biscoitos etc.



Ingredientes 
160gr tamaras demolhas
100gr de amendoas integrais
200gr de banana madura (2 a 3 pequenas)
130gr de trigo sarraceno germinado
1 c.c. cardamomo em pó
1 c.c. raspa de laranja biológica

Preparação
Colocar todos os ingredientes no processador de alimentos, com a excepção do trigo sarraceno germinado.
Pulsar até todos os ingredientes estarem combinados mas não completamente em puré. 
Retirar do copo do processador de alimentos e adicionar o trigo sarraceno, envolver tudo muito bem.

Com as mãos dar forma aos biscoitinhos um a um, usando como medida uma colher de chá.
Colocar no tapete da desidratadora um a um. Desidratar por 12 horas a 40ºC, virar a meio do tempo.  

Nota: Embora não o tenho experimentado julgo que também os poderão fazer estes biscoitos no forno desligado, enquanto este ainda está morno...


English version

Raw vegan cookies with sprouted buckwheat. Sugar-free, gluten free and vegan! It could not get any better!
I assure you these are soooo good!!

Please do not feel overwhelmed with with what seems to be a complex recipe. I assure you it is not complicated. Although raw cookies can take their time on the dehydrator it is time that you can use for something else, you just let them there doing their thing :) You can even choose to dehydrate them over night so that when you wake up they will be super ready!
Why raw cookies, you ask? Do you know that food upon cooking loses their enzyme account and nutritional value? Enzymes have several important functions in our body, especially in the digestive process. .

Anyway this is kind of a long story and I will talk about it more in detail if you, my dear readers want me to. 

Sprouting buckwheat step by step, 2-3 days.
  1. Soak the desired quantity of buckwheat you are looking for to sprout, for 15 minutes.
  2. Drain well on a mesh colander.
  3. Place the colander with the soaked seeds over a bowl and leave it in a quite place in your kitchen.
  4. Wash through and drain at least twice a day.
  5. By the end of the first day you should be able to see some tiny tails coming out of the seeds.
  6. Use them when you want, I prefer them when their tails are about 0,5 cm in size.

You can use  buckwheat sprouts in many ways, from granola, porridge, sprinkled over salads, just use your imagination.

Ingredients for the cookies
160gr soaked dates
100gr whole meal almonds
200gr ripe bananas (2 to 3 small ones)
130gr sprouted buckwheat
1 tsp. cardamom powder
1 tsp organic orange zest

Preparation
Place all the ingredients, except for the sprouted buckwheat, in the power blender or food processor.
Pulse until all the ingredients are combined, but not completely processed.
Remove from the food processor and add in the sprouted buckwheat. Fold in gently.
Use your hand and shape the cookies one by one using a teaspoon of cookie mix for each.
Place the cookies on the dehydrator trays/sheets. Dehydrate for 12 hours at 40ºC. Turned them halfway through so that they get crispier. 

Note: Although I have not tried it, I think you can make this cookies in the oven, once You had turned it off and it is still lukewarm... If you try this let me know :)